Porque o youtube não pode ser a babá dos nossos filhos

Imagem: banco gratuito
 
Eu adoraria poder contar com o youtube como uma babá temporária! Porque sabe, mesmo ficando em casa com os meninos, estou bem longe de conseguir dedicar-lhes todo o meu tempo, preciso arrumar a casa, cuidar do blog, do curso de francês, de diversas coisas, enfim, é uma pena, mas infelizmente não posso confiar no youtube, e sabe por quê? Porque nele se encontra uma terra sem fronteiras. Já estava preocupada com o assunto há algum tempo, e na semana passada com a repercussão do vídeo de um youtuber mostrando o que as crianças podem encontrar assistindo vídeos de minecraft me preocupou mais ainda. Ele mostra até machininas (espécie de filminhos feitos através do jogo) onde personagens estupram e matam um a garota e seus namorado. Fiquei bem chocada!
E mesmo não sabendo o real intuito do vídeo do garoto, se é ou não atacar outros colegas youtubers, ele levantou um tema importantíssimo que precisa sim ser discutido, e preocupa bastante a nós pais: como separar o material para crianças no youtube e ter a certeza que de estão diante de um conteúdo pertinente a suas idades?
Como vocês sabem, meus filhos (de 8 e 10 anos) são fãs de minecraft, e assistem muitos tutoriais no youtube (inclusive ontem estivemos em um evento do tema). Isso sempre me preocupou, e já ensinei aqui como ativar o modo de segurança do youtube para evitar o acesso a conteúdos impróprios, mas como eu já disse, ainda não é 100% seguro. O sistema considera como base de bloqueio: o título do vídeo, as palavras chaves, e as marcações de pessoas que assistiram e sinalizaram como “inadequado”, porém nada pode realmente assegurar que conteúdo do vídeo não possa conter: linguagem imprópria, violência demasiada ou algo de teor sexual. De qualquer forma, aconselho que você o ative o modo restrito agora, se ele ainda não estiver ativado.
O alerta não vale apenas para os fãs de minecraft, há algum tempo vimos que os vídeos da porquinha Peppa Pig levavam a outras animações caseiras de muito mau gosto com conteúdo sexual, podendo atingir as crianças menores. Para os pequeninos, existe o app YoutubeKids, que facilita a vida dos pais selecionando apenas conteúdo educativo exclusivo para crianças, porém o problema de segurança acaba afetanto mais fortemente as crianças mais velhas, que querem navegar em canais de jogos e entretenimento.

Então, o que nós mães e pais de crianças que assistem vídeos no youtube podemos fazer?

Uma saída é proibir o acesso, ou livre manuseio, principalmente se tratando de crianças muito pequenas.
No caso dos meus, eu acho que seria hipócrita de minha parte proibir o acesso neste momento da vida (não condeno pais que optem pela proibição, como eu disse cada caso é um, e cada pai/mãe tem suas convicções) E no caso de minecraft, acho uma pena privar-lhes de um jogo que, na minha opinião, é bem bacana e criativo, mas que é claro, serve como ferramenta para alguns indivíduos produzirem coisas deploráveis.
 

Então o que fazer?

Infelizmente, amigos pais e mães, vai sobrar mais trabalho pra gente! E ao invés de conseguirmos uma babá teremos ainda mais serviço, assistindo com eles e analisando quais canais são bacanas ou no mínimo aceitáveis para a idade deles.
 
Assisti também o vídeo onde o Paulo Afonso do canal RezendeEvil (um dos que meus filhos assistem) se defende das acusações feitas pelo garoto do vídeo que linkei acima. E embora eu simpatize com o Resende, e ache que realmente ele seja um dos que menos fala palavrões, não encontrei muita consistência em suas palavras. Ele disse que fazia a maioria de suas séries de minecrafts para crianças, e que tinha o direito de uma vez ou outra fazer uma direcionada para crianças maiores de 12. Penso que realmente ele tem esse direito, mas seria sensato, como youtuber reconhecido que é, que sinalizasse a classificação etária no título do vídeo.
E é exatamente aí que se encontra um dos grandes problemas do acesso ao youtube por crianças: ele não apresenta indicação classificação etária, dificultando ainda mais o controle parental.
A situação real é que vivemos um conflito de gerações e não sabemos ao certo como lidar com esse problema do excesso de informações que nossos filhos se deparam desde os primórdios da infância. Em alternativa a proibição, uma medida sensata seria diminuir e limitar o tempo de acesso das crianças ao youtube (de acordo com a idade, por exemplo), facilitanto um pouco mais o monitoramento por um adulto.
 

 O acesso livre e independente é como deixá-los brincarem sozinhos na rua, pode ser que nada de ruim lhes aconteça, mas estariam sim correndo riscos e expostos a vários tipos de perigo.

 
 Aconselho vocês leitores e amigos, que conversem com seus filhos e expliquem o motivo pelo qual eles não devem assistir conteúdos impróprios para a idade deles. Que sabemos que eles são inteligentes e compreendem bem as coisas, mas nos preocupamos porque suas mentes estão em formação, assim como seus corpos, e que o acesso a certos conteúdos podem prejudicá-los naquela idade. Sempre os deixando livres para perguntas e dúvidas. Queremos preservá-los ao máximo, mas no caso de os encontrarmos assistindo um vídeo que não achamos adequado, a conversa sem ataques ou coibição é sempre a melhor saída: “O que você está vendo?” “O que você pensa sobre o conteúdo deste vídeo?”

 

Depois da repercussão do vídeo acima, tive uma conversa bacana com meu filho de 10, apresentei minhas inquietudes, não apenas relacionadas a ele e ao irmão, mas também com crianças menores que estavam expostas a todos esses vídeos do youtube. Ele se demonstrou interessado e também preocupado, disse que acha que alguns vídeos apresentam mesmo muita violência, principalmente para crianças menores que ele, e que não se sentia bem quando os garotos de um canal falam palavrões em excesso, que prefere mudar para outro. A gente nunca sabe realmente se nossas conversas serão eficazes e evitarão deslizes, mas a gente tenta e ser verdadeiro com eles sempre ajuda.

7 comentários em “Porque o youtube não pode ser a babá dos nossos filhos

  1. É isso Cy: educar dar trabalho. Precisa de tempo dedicado, atenção, e uma dose EXTRA de intuição para ler nas entrelinhas e identificar o que pode desencadear o que.
    Atenção MESMO pois os dados de uso do YT por crianças é ASSUSTADOR
    bjs
    Lele

  2. E valeu o alerta tenho um toquinho de gnt aqui, de 4 anos, que é viciado no youtube e já teve momentos em que pegamos ele assistindo "desenhos" da Peppa com cenas de violência e linguajar pra lá de improprio.
    bjs ótima semana 😉

  3. É educar dá trabalho .. Meu filho tbm é fã do minicraft e um canal que ele gosta de assistir é do Authentic (acredito que seus filhos tenham já visto tbm) eu gosto dele é bem tranquilo tanto nos videos como nas palavras.

    Bjs Mi Gobbato – Espaço das Mamães

  4. Querida Cynthia, observo entre os amiguinhos dos meus filhos que o acesso ao You Tube é livre para crianças, mesmo entre famílias com pais bem instruídos.
    Quando falo sobre isso com certas mães me sinto uma E.T. Nessas férias aconteceu algo bastante desagradável: 2 meninos com quem sempre brincaram e que são criados pelo IPAD começaram a falar palavrões e dizer que viram "mulher gostosa" na internet transando. São crianças de 8 e 10 anos!!
    Soube pela empregada que a família sabe dos palavrões, mas não se importa.
    Conversei com os meus filhos e decidi evitar encontros com esses meninos ):

  5. O meu mais velho tem 11 e a mais nova tem 9 o mais velho aprendeu a mexer cedo e pra ele é bem mais fácil lidar pois desde pequeno avisei que tinham pessoas ruins que faziam maldades e que não seria bom para ele assistir eles adoram mine craft e veem vários tipos diferentes de vídeos mas quando veem algo considerado proibido me mostram ou mudam logo de canal ele também me ajuda com a irmã de 9 impressionante como tem vídeos da Barbie impróprios para crianças é revoltante às vezes começa a ver e no meio se torna impróprio mas até aí já viu uma parte e sim deveria ter um filtro melhor para as crianças não terem que passar por isso,por mais que nossos filhos não vejam infelizmente temos que informa-los para a sua própria proteção para como agir nessas situações eu prefiro conversar para que quando algo assim acontecer eles se sintam confortáveis para falar comigo,mas os amigos da escola taxam ele de estranho por não gostar de fazer as coisas erradas e falar tudo pra mim,mundo estranho esse que a educação que nós damos para os nossos filhos prejudicam eles na convivência social

  6. Obrigada pelo link! Esse assunto é realmente importante (e inquietante!). Meu filho caçula tb tem 10 anos e já se pronunciou sobre esses palavrões desnecessários em alguns canais. Gostei muito da sua abordagem e das informações (felizmente já uso todas as dicas de segurança que vc citou!). A solução a curto prazo é está mesmo, dispor das armas que temos e fazer uso da liberdade assistida e controlada! Bjs e obrigada por dividir!

Deixe uma resposta para Xelly Dantas Cancelar resposta