Missão mãe: quando me tornei a cobradora das tarefas

  A gente se ilude pensando que as crianças vão crescendo e o trabalho diminui, né? Realmente o trabalho braçal materno vai se reduzindo com a autonomia deles, mas devo confessar que o exercício vocal anda me deixando bem exausta. Aquele de repetir mil vezes pra cobrar uma tarefa.
 “Já guardou os brinquedos? Já escovou os dentes? Já colocou uniforme? Já fez as tarefas? Já colocou as apostilas na mochila? Já colocou o tênis?” E depois de repetir essas frases cerca de 300 vezes, aumentando gradativamente o tom de voz, obtenho uma única resposta, desprovida de qualquer atitude prática:
-Já vooou, mãe! (Creio eu que a frase “já vou mãe” no dicionário infantil signifique: eu não vou fazer agora, mas disse isso pra ver se você pára de falar)
Sim, eu me transformei numa cobradora de tarefas, chata e persistente, e olha…
Mas Cynthia, porque você não faz uma tabela com as tarefas deles e os respectivos horários?
Amiga, eu já pensei nisso, mas me peguei também refletindo se eu não trocaria as habituais cobranças por:
“já olhou a tabela? Já viu a tabela hoje?” Já foi lá ler a tabela?”… e assim segiria num looping ad eternum…
Imagino que grande parte do problema seja meu, por não conseguir encontrar uma forma eficaz para designar suas obrigações cotidianas de forma que eles cumpram prontamente.
 
Me digam, como é esse lance da autonomia das crianças por aí? Eles fazem tudo sem que você precise pedir? Vocês também são mães cobradoras? #ajudaamãeaqui rs

Veja também:

Missão: A hora das tarefas

Filho, nem tudo na vida é brincadeira

Por que minha mãe vira o Darth Vader?

Um comentário em “Missão mãe: quando me tornei a cobradora das tarefas

  1. Suuuper te entendo amiga, aqui as coisas estão neste patamar de evolução e as nossas mães coitadas devem ter passado muito por isso (chatice aguda rsrsrs).

    Olha só o que é desespero de mãe rsrsrs estou preparando cartazes pela casa com fotos das coisas a serem feitas e o local que devem ser feitas.
    No meu caso esta difícil de lembrar por exemplo de levantar e abaixar as duas tampas do vaso sanitário antes e depois do xixi (dureza)
    Vou usar a neolinguística sabe, percebi que meu filho é extremamente visual, aprende vendo os outros fazerem, então vou deixar lembretes do passo a passo rsrsr
    Não sei se vai dar certo, mas vou apelar kkkk
    Bjs

  2. Olha aqui acontece, e olha que tem apenas 3 anos. Achei que passaria quando crescesse, mas pelo visto acho que sempre vai existir. Canso de falar, várias vezes as mesmas coisas. Só mãe entendi isso. Bjs
    Vivi e Isaac

  3. KKK!!E meus filhos já são moços…até hoje cobro tarefas…"tire suas roupas de cima da cama Lucas, vc tem armário pra quê?"Ou…"Clarissa, este tênis vai completar aniversário aqui jogado na sala!!" Mas, eles já melhoraram muito!!E não posso reclamar,pois me ajudam muito, com a louça, com a janta, recolhem as roupas, dobram…enfim,ser mãe é assim mesmo, mas eu amo!!!!Logo, logo seus filhos crescem e melhoram , vc vai ver! Vc conhece a história "O menino que quase morreu afogado no lixo", da Ruth Rocha?Tem a sinopse aqui:

    http://www.skoob.com.br/livro/18486-o_menino_que_quase_morreu_afogado_no_lixo

    Ela conta de maneira divertida sobre um menino que nunca arrumava o seu quarto, leia para os seus filhos, vai ajudar!Bjs

  4. Estou nessa fase de "mãe supercobradora" e estou detestando! É da minha personalidade achar que cada um sabe o que tem que fazer então não precisa ser mandado. Só que tenho sempre que me lembrar que nesse caso não se trata de um outro adulto e sim de uma criança que está aprendendo que tem deveres e obrigações também. Tenho exatamente a mesma impressão que você, o problema é que não estamos acertando a nossa forma de apresentar essas tarefas para as crianças.

    Estou lendo um livro da Maria Tereza Maldonado – Comunicação entre pais e filhos – bem antiguinho, que fala bastante sobre isso. As vezes a forma de pedir a realização de uma tarefa pode estar errada, criando resistências dos pequenos, forçando que se faça repetidas vezes o que acaba nos tornando umas chatas de galocha, extremamente irritadas e sem sucesso na tarefa de colocar ordem na casa, literalmente.

    Confesso que não sou adepta do método quadro de tarefas a serem cumpridas e recompensas ou perdas no fim do período estipulado. Acho que as obrigações do dia-a-dia são deveres que todos da casa devem cumprir, é uma questão de responsabilidade e respeito com o outro. não algo que deva ser premiado.

    Por aqui vou tentando. Uns dias com mais sucesso, outros com menos ou nenhum, rs. Porque somos mães, não desistimos nunca! 😉

  5. Isso Elly, penso como vc! Quero que façam suas próprias tarefas pelo respeito a família, a mim, e por assumirem suas responsabilidades, não porque serão premiados. Mas né, seguimos tentanto rs… Muito obrigada pelo comentário e indicação do livro, vou procurar! beijo

  6. Olá, passo pela primeira vez aqui e gostei…. queria já dar pitado…

    Sabe que esta questão me incomodava muito ( tenho 3 filhos: 15, 12 e 6), então já estou nesta fase de "cobradora" há um tempo… ainda mais que tenho um perfil que ajuda rsrsrs!

    Mas uma coisa que me ajudou muito a sair desta sensação , foi descobrir que isso era uma oportunidade para mim! Sim ! Achei uma oportunidade para treinar minha paciência… dizer a mesma coisa, todo dia, para as mesmas pessoas e ainda assim não ter sucesso em algumas vezes… paciência… e paciência acaba sendo minha forma de mostrar amor… eles precisam da minha paciência , que eu dê o tempo para eles… às vezes funciona, os maiores já não precisam tanto das lembranças, às vezes me sinto carrasca… ;-( mas vai acontecendo… O bom é que o menor já vai indo no embalo e eu também já estou mais prática nestas cobranças…

    Às vezes me sinto bem, paciente e realmente Mãe.. mas às vezes também canso e esqueço a famosa paciência… rsrsrs

Deixe uma resposta