Procurando Dory (filme para se divertir e aprender um pouco sobre a fauna marinha)

Na semana passada tivemos a oportunidade de conhecer o Aquário de São Paulo, para o lançamento do filme Procurando Dory, a convite da assessoria da Disney. E nesse fim de semana assistimos a pré-estreia a convite do Telecine. Com isso, pude observar que realmente a Disney conseguiu mais uma vez retratar características interessantes de vários animais marinhos, e é claro, cercado de muita fantasia e imaginação, também demonstrar alguns aspectos de comportamento e relações ecológicas entre esses seres.
Foto nossa no Aquário de SP, o peixe palhaço e o peixe azul. Foto da direita é daqui
 
A relação entre o peixe palhaço e a anêmona, mostrada nesse e no primeiro filme da série “Procurando Nemo”, é notavelmente verdadeira. A anêmona possui células urticantes que paralisam a presa instantaneamente, porém elas não afetam o peixe palhaço. Além isso, ela oferece abrigo e proteção a esses peixes (que devido a suas cores vibrantes são bem visados pelos predadores). E mutuamente, ela também se beneficia, pois esses peixes acabam atraindo mais presas para os seus tentáculos através de seus movimentos e cores, e também acabam fornecendo fragmentos de alimentos que eles consomem. É claro que nem todos os aspectos biológicos relativos ao peixe palhaço foram colocados nos roteiros desses dois filmes (Procurando Nemo e Procurando Dory), como por exemplo, o fato deles serem hermafroditas. Mas como eu disse, o filme é uma mistura de fantasia com algumas características verdadeiras de comportamento animal.
A personagem Dory, o peixe azul que apresenta “perda de memória recente”, foi escolhida para representar um conhecimento antigo de que a memória dos peixes dura apenas alguns segundos (apesar de que recentemente já existem pesquisas que mostram que isso não é verdadeiro para algumas espécies de peixes).
O polvo Hank, amigo de Dory no filme, também representou bem a comprovada capacidade de aprendizagem, criatividade e memória desses curiosos octópodes de 3 corações. Meu personagem preferido deste filme!
Foto daqui
Foi mostrado também, é claro que cercado de ampliações fantasiosas, a capacidade de ecolocalização das belugas.
Imagem daqui
Posso dizer que para quem gosta muito de biologia marinha ou não, vale a pena assistir esse novo filme da Disney Pixar, Procurando Dory, que estreia dia 30 de junho nos cinemas. Onde a personagem Dory vai viver uma aventura e enfrentar desafios (e conflitos relativos a sua falta de memória) em busca de sua família. Aqui em casa, pais e filhos curtiram!
Em seguida, fizemos uma visita ao Aquário, que é uma boa sugestão de passeio com as crianças, que poderão ver de perto várias espécies mostradas no filme. Os ingressos podem ser comprados pelo site ou na portaria do local.
E para finalizar, posso dizer que apesar de não ter grandes falhas de memória como a personagem Dory, eu andava me esquecendo de um fato muito bacana que esse filme me fez relembrar (e me proporcionou muito prazer em escrever esse post): que eu me formei em biologia.

Deixe uma resposta