Sobre Bullying

Link


Quando eu cursava o ensino fundamental, nos áureos anos 80 (Fala, Fofão!), bullying não existia, quero dizer, na verdade ele não tinha nome… Fato que talvez até atenuasse esse ato de “tirar sarro” dos colegas. É claro que existiam os casos extremos de humilhação que eventualmente geravam punição, mas no geral o “tirar sarro” era comum e até certo ponto era tolerável. E a minha pessoa, é claro, estereotipada nuns óculos de armação preta “a La Chiquinha”, com sorriso estreito todo metalizado e com um arquipélago de espinhas na cara, não escapava de tais gozações.
Nesse último domingo no fantástico teve uma matéria sobre bullying. Mostrou algumas vítimas desse mal e seus conseqüentes traumas. E deu dicas para que os pais identifiquem os filhos que podem estar sendo vítimas disso e não se permitem falar. Mas sabem do que senti falta, e o que mais me preocupa? Não saber um dia identificar se meu filho é praticante de tal ato.
Sei que mergulho na pieguice dizendo isso, mas o que mais que aterroriza é pensar os valores que passamos podem se sublimar um dia por essa vida e com isso sermos surpreendido com um desgosto desses. Afinal, onde estão esses pais de “bullynadores”? Eu não conheço nenhum pai que conte que o filho pratica isso. E se parecem estar no nosso meio, onde estão? Será que esses pais são completamente omissos ou coniventes com isso?
Bem, voltando à década das polainas, conheço o destino de alguns “bullynadores” e de alguns “bullynados” da minha antiga escola. E acreditem, como num filme heróico desse mesmo tempo, os bullynados tomaram rumo bem mais promissor que os bullynadores, onde alguns se perderam nas sarjetas da vida. Entre as bullynadas, teve uma que foi até embora da cidade, depois voltou de cabaça erguida, a La Tieta do Agreste.

Link

Nota: Peço POR FAVOR que não entendem esse texto como apologia ao bullying ou qualquer que seja o nome, só quis relembrar o quanto isso parecia deixar menos trauma quando não tinha nome. E sobre a preocupação enfraquecida em identificar os bullynadores, possível chave do problema.

Um comentário em “Sobre Bullying

  1. A Cris do Recomadres, uma vez falou isso sabe amiga, e se seu filho for um bullynador?? Será que estamos atentos o suficiente para enxergar isso?? Na verdade hoje os pais estao tao ocupados com tantas coisas, que realmente nao tem tido tempo prá reparar pequenas coisa, quem dirá uma coisa tao complexa como essa!!! Tao dificil quanto ter um filho que sofre com bullying é ter o praticante dentro de casa!! é importante estar sempre atento, falar com professores sobre o comportamento de seu filho na escola, e acima de tudo, ser humilde o suficiente prá perceber que seu filho tem falhas, o que prá mim é o mais complicado!! Bem, chega né, tá virando um post!! beijocasss

  2. A Cris do Recomadres, uma vez falou isso sabe amiga, e se seu filho for um bullynador?? Será que estamos atentos o suficiente para enxergar isso?? Na verdade hoje os pais estao tao ocupados com tantas coisas, que realmente nao tem tido tempo prá reparar pequenas coisa, quem dirá uma coisa tao complexa como essa!!! Tao dificil quanto ter um filho que sofre com bullying é ter o praticante dentro de casa!! é importante estar sempre atento, falar com professores sobre o comportamento de seu filho na escola, e acima de tudo, ser humilde o suficiente prá perceber que seu filho tem falhas, o que prá mim é o mais complicado!! Bem, chega né, tá virando um post!! beijocasss

  3. O sarro de ontem vira o buylling de amanhã, está na hora de mudar isso, respeito é fundamental e educação mais ainda que se recebe desde nenê. Rir dos outros é falta de educação e falta de respeito em qq época

  4. O sarro de ontem vira o buylling de amanhã, está na hora de mudar isso, respeito é fundamental e educação mais ainda que se recebe desde nenê. Rir dos outros é falta de educação e falta de respeito em qq época

  5. Nossa, eu sofri muito com o bullying (também ainda inominado) na infância. Minha mãe falaceu quando eu era muito pequenininha, após 2 anos ausente por causa da doença.
    Meu pai, na tentativa de suprir nossas carências, era a 'mãe' da casa, então ele fazia o que sabia, e comprava roupas iguais para meu irmão e para mim. E na infância as meninas querem frufus, lacinhos, tudo rosa, acessórios femininos e tal. E eu, na contramão da turma, usava tênis de menino, roupas de menino e não tinha nem um frufru para chamar de meu. Às vezes eu paro para pensar em como isso foi duro mas frutificou, porque meus melhores amigos são meninos!rs
    E acho que seria um fracasso para mim, como mãe, descobrir que tenho um filho que desagrega, maltrata e discrimina…
    bjs

  6. Nossa, eu sofri muito com o bullying (também ainda inominado) na infância. Minha mãe falaceu quando eu era muito pequenininha, após 2 anos ausente por causa da doença.
    Meu pai, na tentativa de suprir nossas carências, era a 'mãe' da casa, então ele fazia o que sabia, e comprava roupas iguais para meu irmão e para mim. E na infância as meninas querem frufus, lacinhos, tudo rosa, acessórios femininos e tal. E eu, na contramão da turma, usava tênis de menino, roupas de menino e não tinha nem um frufru para chamar de meu. Às vezes eu paro para pensar em como isso foi duro mas frutificou, porque meus melhores amigos são meninos!rs
    E acho que seria um fracasso para mim, como mãe, descobrir que tenho um filho que desagrega, maltrata e discrimina…
    bjs

  7. Quando eu era menina lá pela quarta série tinha uma amiga gordinha e eu era a peste em forma de menina…vivia dizendo: bujão setenta, cai no chão e não se arrebenta. Ela corria atrás de mim para encher minha cara de porrada. Minha sorte era ter as pernas compridas, porque ela era muito maior do que eu e se me pegasse não ia sobrar muita coisa. Perdi a conta de quantas vezes tinha que esperar ela ir embora, para poder ir para casa sem um olho roxo. Nos encontramos anos mais tarde na faculdade e nunca tocamos no assunto. Espero que eu não tenha deixado 'sequelas' nela, porque eu tô longe de ser uma pessoa má. Beijocas!

  8. Cynthia,
    Esse é um assunto bem complicado….
    Também não escapei na escola, por causa do sobrenome japones..kkkkk
    Sempre tinha uma piadinha ou outra, mas era mais leve.
    Hoje vejo tantas coisas, que me dão medo.
    As crianças e adolescentes não tem limites e nem respeito.
    Antigamente, por exemplo, nunca ouvi falar de aluno que bate em professor, e hoje em dia, é normal.
    Toda semana tem um caso parecido.
    Sempre tive medo do byllyuing contra os meus filhos, principalmente, porque minha filha sempre foi muito timida.
    Não se enturmava, não conversava….e as meninas mais descoladas, já formavam os seus grupinhos.
    Hoje, vi que no caso dela foi questão de tempo, e ela puxou algo de mim….sou reservada, timida e escolho as amizades, porque já tive muitas amigas interesseiras.
    Agora, estou na parte 2, sofrendo com o meu filho de 7 anos.
    A maioria dos meninos aqui tem 10 ou 11 anos, e todos a mesma paixão: o futebol
    E sempre que meu filho vai jogar, ninguem quer ele no time, ficam falando que ele não faz gol, humilham ele, etc…..
    Outro dia, tive que ir conversar com um menino, falando para ele não humilhar, e se ele acha que meu filho não sabe jogar bola, que ele ensinasse o meu filho, que é muito mais bonito do que chingar.
    Mas também, se eu vou lá tirar satisfação, posso piorar a situação…pois virão as piadinhas do tipo: Olha lá, o filhinho da mamãe….
    aff…tão complicado!
    mas enfim, adorei o post! desabafei..kkkkkkkkk
    beijos

  9. Cynthia,
    Esse é um assunto bem complicado….
    Também não escapei na escola, por causa do sobrenome japones..kkkkk
    Sempre tinha uma piadinha ou outra, mas era mais leve.
    Hoje vejo tantas coisas, que me dão medo.
    As crianças e adolescentes não tem limites e nem respeito.
    Antigamente, por exemplo, nunca ouvi falar de aluno que bate em professor, e hoje em dia, é normal.
    Toda semana tem um caso parecido.
    Sempre tive medo do byllyuing contra os meus filhos, principalmente, porque minha filha sempre foi muito timida.
    Não se enturmava, não conversava….e as meninas mais descoladas, já formavam os seus grupinhos.
    Hoje, vi que no caso dela foi questão de tempo, e ela puxou algo de mim….sou reservada, timida e escolho as amizades, porque já tive muitas amigas interesseiras.
    Agora, estou na parte 2, sofrendo com o meu filho de 7 anos.
    A maioria dos meninos aqui tem 10 ou 11 anos, e todos a mesma paixão: o futebol
    E sempre que meu filho vai jogar, ninguem quer ele no time, ficam falando que ele não faz gol, humilham ele, etc…..
    Outro dia, tive que ir conversar com um menino, falando para ele não humilhar, e se ele acha que meu filho não sabe jogar bola, que ele ensinasse o meu filho, que é muito mais bonito do que chingar.
    Mas também, se eu vou lá tirar satisfação, posso piorar a situação…pois virão as piadinhas do tipo: Olha lá, o filhinho da mamãe….
    aff…tão complicado!
    mas enfim, adorei o post! desabafei..kkkkkkkkk
    beijos

  10. eu entendi o que vc quis dizer. que os que aprendem a agredir, apenas ficam nisso: só sabem meio que…fazer o mal, enquanto os que sofreram aprendem desde cedo a dar a volta por cima, saem mais fortes apesar do sofrimento.

    nunca vi pessoas pobres de espírito se darem bem na vida. Qdo se dão é temporário ou é de maneira bem infeliz, o sucesso é algo apenas de aparência.

    muito bem pensado seu post, que não tem NADA de apologia ao bullying e sim traz uma visão positiva, de reerguer-se.

    adorei!
    bom dia

  11. eu entendi o que vc quis dizer. que os que aprendem a agredir, apenas ficam nisso: só sabem meio que…fazer o mal, enquanto os que sofreram aprendem desde cedo a dar a volta por cima, saem mais fortes apesar do sofrimento.

    nunca vi pessoas pobres de espírito se darem bem na vida. Qdo se dão é temporário ou é de maneira bem infeliz, o sucesso é algo apenas de aparência.

    muito bem pensado seu post, que não tem NADA de apologia ao bullying e sim traz uma visão positiva, de reerguer-se.

    adorei!
    bom dia

  12. Eu sofri mto quando criança… é mto triste ser zuada pelos colegas…. e morro de medo do futuro pelo meu filho… pq na nossa época era só brincadeiras apesar de doer por dentro, agora vira violência e causa danos mto maiores…. adorei o post….

    coisinhasdalayne.blogspot.com
    Beijos

  13. Eu sofri mto quando criança… é mto triste ser zuada pelos colegas…. e morro de medo do futuro pelo meu filho… pq na nossa época era só brincadeiras apesar de doer por dentro, agora vira violência e causa danos mto maiores…. adorei o post….

    coisinhasdalayne.blogspot.com
    Beijos

  14. Um assunto polêmico, complicado, mas um post fácil de se entender.
    Bullying sempre existiu, mas de uma forma mais branda, sem chamar muita a atenção de todos. Ainda bem que hoje em dia já se percebe o estrago que isso pode causar nas pessoas, que as pessoas estão ligadas e tentam resolver. Mas também até se ligarem leva tempo e o estrago pode ter sido feito.
    Eu espero do fundo do meu coração e com a educação que eu e meu marido estamos dando a nossos filhos que eles não sejam os bullynadores, morreria de vergonha e ficaria muito triste e me sentindo uma fracassada se isso ocorrer. Se eles sofrerem bullyig eu trabalho com eles pra superar o que for.
    É amiga, esse assunto tem pano pra manga, mas parabéns pelo post, muito bem colocado!
    Beijos!

  15. Um assunto polêmico, complicado, mas um post fácil de se entender.
    Bullying sempre existiu, mas de uma forma mais branda, sem chamar muita a atenção de todos. Ainda bem que hoje em dia já se percebe o estrago que isso pode causar nas pessoas, que as pessoas estão ligadas e tentam resolver. Mas também até se ligarem leva tempo e o estrago pode ter sido feito.
    Eu espero do fundo do meu coração e com a educação que eu e meu marido estamos dando a nossos filhos que eles não sejam os bullynadores, morreria de vergonha e ficaria muito triste e me sentindo uma fracassada se isso ocorrer. Se eles sofrerem bullyig eu trabalho com eles pra superar o que for.
    É amiga, esse assunto tem pano pra manga, mas parabéns pelo post, muito bem colocado!
    Beijos!

  16. Oi querida, é polêmico esse seu post de hoje, eu assisti a reportagem do fantástico e fiquei pensando em quando tiver meus filhos, não gostaria de ver um filho meu sofrer bullying e pior ainda saber que ele praticaria, é um assunto complicado e delicado! É mais uma preocupação que aparece nesse mundo para tirar o sono dos pais!
    bjs….

  17. Oi querida, é polêmico esse seu post de hoje, eu assisti a reportagem do fantástico e fiquei pensando em quando tiver meus filhos, não gostaria de ver um filho meu sofrer bullying e pior ainda saber que ele praticaria, é um assunto complicado e delicado! É mais uma preocupação que aparece nesse mundo para tirar o sono dos pais!
    bjs….

  18. é bem polemico mesmo esse post seu….mas a verdade é uma só, antigamente as crianças e adultos ate mesmo, eram menos agressivos que hoje, as coisas eram mais lights, quem nunca apelidou ou riu de um amiguinho estranho, gordinho ou de oculos da sala de aula que atire a pimeira pedra…hoje as coisas sao mais pesadas, as crianças mais agressivas pelo fato de alguns pais as protegem demais, criando verdadeiros monstros..a diferença esta ai, em como eramos educados por nossos pais antes e como alguns pais estao educando seus filhos nos das de hoje….rever conceitos acho que é a solução de tudo…bjossss linda tarde…

  19. é bem polemico mesmo esse post seu….mas a verdade é uma só, antigamente as crianças e adultos ate mesmo, eram menos agressivos que hoje, as coisas eram mais lights, quem nunca apelidou ou riu de um amiguinho estranho, gordinho ou de oculos da sala de aula que atire a pimeira pedra…hoje as coisas sao mais pesadas, as crianças mais agressivas pelo fato de alguns pais as protegem demais, criando verdadeiros monstros..a diferença esta ai, em como eramos educados por nossos pais antes e como alguns pais estao educando seus filhos nos das de hoje….rever conceitos acho que é a solução de tudo…bjossss linda tarde…

  20. Ótimo texto! É muito bom levantar as lebres porque a se a gente pára no que diz o Fantástico, ficamos na superfície e tanta coisa importante é deixada de lado. Gostei muito da reflexão.
    Abraços

  21. Ótimo texto! É muito bom levantar as lebres porque a se a gente pára no que diz o Fantástico, ficamos na superfície e tanta coisa importante é deixada de lado. Gostei muito da reflexão.
    Abraços

  22. Meu filho sofreu bullying na escola ano passado, pois ele gosta mto de estudar e ler diversos assuntos, logo recebeu o título de Dr sabe tudo.Não podia participar das aulas que caiam de gozeira em cima dele,com isto caiu o inteiresse na escola.Conversei mto com ele, procurei a escola que fez um trabalho com a turma. Eu acho que os pais devem ficar atentos a esse problemas e cobrar da escola o seu papel e fiquem sempre atentos quanto ao relacionamento de seu filho com a classe em aula.

  23. Meu filho sofreu bullying na escola ano passado, pois ele gosta mto de estudar e ler diversos assuntos, logo recebeu o título de Dr sabe tudo.Não podia participar das aulas que caiam de gozeira em cima dele,com isto caiu o inteiresse na escola.Conversei mto com ele, procurei a escola que fez um trabalho com a turma. Eu acho que os pais devem ficar atentos a esse problemas e cobrar da escola o seu papel e fiquem sempre atentos quanto ao relacionamento de seu filho com a classe em aula.

  24. Eu sofri bullying quando adolescente, mas sofri pq eu era popular entre os meninos, elas só se aproximavam por interesse e quando percebi, fiquei chateada e as meninas (menos populares) acharam que me isolando teriam mais chances com eles…Foi uma época dificil, pois não tinha amigas…elas ficavam em turma cochichando e eu sozinha com alguns amigos..se fosse hj em dia seria diferente, a maturidade mostra como se safar dessas amigas ciladas.

    Mas tenho conversado muito com minhas filhas e mostro que o Bullying não é legal para quem sofre, muito menos para quem o pratica, acho que conversa franca é o melhor remédio.

    Bjão

  25. Eu sofri bullying quando adolescente, mas sofri pq eu era popular entre os meninos, elas só se aproximavam por interesse e quando percebi, fiquei chateada e as meninas (menos populares) acharam que me isolando teriam mais chances com eles…Foi uma época dificil, pois não tinha amigas…elas ficavam em turma cochichando e eu sozinha com alguns amigos..se fosse hj em dia seria diferente, a maturidade mostra como se safar dessas amigas ciladas.

    Mas tenho conversado muito com minhas filhas e mostro que o Bullying não é legal para quem sofre, muito menos para quem o pratica, acho que conversa franca é o melhor remédio.

    Bjão

  26. Vc tocou num assunto prá lá de pol~emico. Tive a sensação que as pessoas estavam esperando para falar sobre isso. Meus filhos já são adultos, a caçula está com 21, então não tenho hoje essa preocupação, mas acho que todos os olhos são poucos, para qualquer lado da cerca que vc esteja. Um beijo, Cynthia!

  27. oi Cinthya, desculpe minha maneira de iniciar uma conversa com seu Blog, mas acho que a forma é bem valida, pois vai que depois deste meu convite vc ganhe a joia que está em sorteio no meu Blog????
    bem, o recado é esse, vai lá dar uma espiadinha…..hoje é o ultimo dia.
    Amei seu Blog e já estou te seguindo…assim podemos estender nosso contato. Grande abraço.

  28. oi Cinthya, desculpe minha maneira de iniciar uma conversa com seu Blog, mas acho que a forma é bem valida, pois vai que depois deste meu convite vc ganhe a joia que está em sorteio no meu Blog????
    bem, o recado é esse, vai lá dar uma espiadinha…..hoje é o ultimo dia.
    Amei seu Blog e já estou te seguindo…assim podemos estender nosso contato. Grande abraço.

  29. Sabe o que acho Cyntia.
    A questão não é o bullyng, mas sim o grau de violência.
    Antigamente existiam implicancias, coisas que faziam as pessoas ficar tristes e, às vezes, até brigas…
    Mas os conceitos eram outros, a moral era outra, a força era outra…

    Muito se perdeu.
    eExemplo: veja um desenho do He-man (o bem contra o mal de forma educada, parece até esquisito no contexto de hoje) e olha que não tem nem 30 anos…

    bj

  30. Sabe o que acho Cyntia.
    A questão não é o bullyng, mas sim o grau de violência.
    Antigamente existiam implicancias, coisas que faziam as pessoas ficar tristes e, às vezes, até brigas…
    Mas os conceitos eram outros, a moral era outra, a força era outra…

    Muito se perdeu.
    eExemplo: veja um desenho do He-man (o bem contra o mal de forma educada, parece até esquisito no contexto de hoje) e olha que não tem nem 30 anos…

    bj

  31. Sinceramente?? Acho um exagero!
    Claro que há casos extremos, como vc mesmo disse, mas zoação é coisa de criança… Elas fazem isso mesmo, por maldade, pra testar o colega ou por qualquer outro motivo… Esse excesso da mídia está gerando mais transtornos que o tal do bulyng… Sou professora e não vejo isso acontecer da forma que é exposto… E tem mto pai cabeça fraca que se deixa levar pela mídia, aí o filho recebe um apelido e ele já está lá armando barraco e processando todo mundo! Sou contra aos excessos, mesmo!

    Beijocas!

  32. Sinceramente?? Acho um exagero!
    Claro que há casos extremos, como vc mesmo disse, mas zoação é coisa de criança… Elas fazem isso mesmo, por maldade, pra testar o colega ou por qualquer outro motivo… Esse excesso da mídia está gerando mais transtornos que o tal do bulyng… Sou professora e não vejo isso acontecer da forma que é exposto… E tem mto pai cabeça fraca que se deixa levar pela mídia, aí o filho recebe um apelido e ele já está lá armando barraco e processando todo mundo! Sou contra aos excessos, mesmo!

    Beijocas!

  33. Sabe quando a gente é mãe não tem como não pensar nesses problemas, é bom ser divulgada, afinal conhecimento é sempre bem vindo. Agora considero que o caso só vire bulling, se os pais deixarem, o meu filho é o tipo que sempre é vitima, por isso fico de olho aberto, presto muita atenção nele, e consigo resolver antes de virar um problemão, acho isso importante a prevenção. Mas muitos pais não tem tempo e outros não querem ver pois dá trabalho. Á última veio no Inglês queria trocar o curso, olhando o caderno vi riscos, não fingi que não vi, fui lá e tudo foi resolvido, sabe quanto antes os pais enchergarem é melhor, e fora que o meu filho sabe que eu acredito nele, o que ele me fala presto atenção, acho que isso falta hoje em dia, as vezes desso no condominio e fico lá só olhando ele e os amigos, é impressionante como só de olhar você sabe quem é quem, mas vejo muitas mães que não querem nem saber coloca pra brincar lá em baixo e ficam vendo tv, usando o pc. Com a minha filha não foi diferente ela me monstrou um desenho e fiz uma pergunta, ali tirei ela da escola, não perco tempo. Você acredita que teve uma mãe que me falou que era pra min ensinar a minha filha a bater, por que ai não teria problema por que a filha dela batia a minha revidava e estava tudo certo. Fala sério! Mas essa é a realidade, é isso que muitas mães tem feito.

  34. Cynthia, no meu post mais recente afirmo que os problemas de nossos filhos são os nossos erros. Mas paro por aqui, porque o post atual diz respeito a uma agressividade cometida principalmente pelas mães quando projetam em suas filhas sonhos e frustrações sufocadas.

    Sobre o bullying e quem trabalha com crianças sabe, que a agressividade infantil em geral começa dentro de casa e se quer ver o seu filho sem problemas, até mesmo de aprendizado, ensine a ele o caminho do amor! Quem recebe amor, dá amor! Não damos ao outro aquilo que não temos, o que não é explorado, não é desenvolvido e amadurecido!

    Antigamente o mundo não era tão violento e o bullying não passava de uma espécie de assédio moral – somente olhares e fofoquinhas das "Abelhas rainhas e suas escravas" – essa imagem me lembrou o filme "Carrie, a estranha" – não sei se assistiu esse filme, mas narra a história de uma garota excluída da turma e que no baile de formatura, recebe um balde de tinta vermelha ou sangue – não sei.

    A falta de limites dentro de casa faz a criança e adolescente perderem a noção do que é certo ou errado – em geral, pais de bullies também foram bullies ou oprimem seus filhos em casa. Escrevi sobre isso, se tiver paciência de ler:

    Bullying, de quem é a culpa?

    *Não se preocupe! Por já estar preocupada, sei que seu filho jamais será um bully (valentão).

    Beijus,

  35. Cy querida, na minha época tbm. tinha muita tiração de sarro, assim como os casos extremos. Mas o que acho que acontece muito hoje em dia é que qualquer ato é considerado extremo, mesmo uma brincadeira inocente.
    Óbvio que há de se tomar o cuidado, pois mesmo algo sem importância pode crescer, pois ninguém advertiu antes, mas acho que hoje em dia colocam muito peso em tudo, sabe?
    Sei lá, né? Quem sou eu pra falar… Não tenho filhos, enfim…
    Te adoro, Cy!!!
    Beijosssssssssssss
    Vero

  36. Cy querida, na minha época tbm. tinha muita tiração de sarro, assim como os casos extremos. Mas o que acho que acontece muito hoje em dia é que qualquer ato é considerado extremo, mesmo uma brincadeira inocente.
    Óbvio que há de se tomar o cuidado, pois mesmo algo sem importância pode crescer, pois ninguém advertiu antes, mas acho que hoje em dia colocam muito peso em tudo, sabe?
    Sei lá, né? Quem sou eu pra falar… Não tenho filhos, enfim…
    Te adoro, Cy!!!
    Beijosssssssssssss
    Vero

  37. Oi Cynthia,

    Excelente o seu post, a matéria do Fantástico me fez lembrar do meu ensino fundamental mais conhecido por primário e ginásio [ha ha ha] lá, mais distante, nos 70's. O bullying estava lá também, claro. Não com este nome nem com a violência dos tempos atuais. Eu me lembro bem dos dias em que eu chorava, no primário, desesperada porque não queria ir à escola, e minha mãe, coitada, nem desconfiava o porquê. Acontece que a gente sobrevive e se fortalece. Os tempos atuais trazem um agravante, me parece: a violência e a perseguição sem fim. Isso é triste, né?
    Mas aquelas duas fofuras que conheci serão adolescentes lindos, não serão bullynadores nem bullynados, tenho certeza.

    Grande beijo e ótimo findis*

  38. Oi Cynthia,

    Excelente o seu post, a matéria do Fantástico me fez lembrar do meu ensino fundamental mais conhecido por primário e ginásio [ha ha ha] lá, mais distante, nos 70's. O bullying estava lá também, claro. Não com este nome nem com a violência dos tempos atuais. Eu me lembro bem dos dias em que eu chorava, no primário, desesperada porque não queria ir à escola, e minha mãe, coitada, nem desconfiava o porquê. Acontece que a gente sobrevive e se fortalece. Os tempos atuais trazem um agravante, me parece: a violência e a perseguição sem fim. Isso é triste, né?
    Mas aquelas duas fofuras que conheci serão adolescentes lindos, não serão bullynadores nem bullynados, tenho certeza.

    Grande beijo e ótimo findis*

  39. Bom, a coisa tá ficando séria, mas era branca feito neve e tinha sardas, banana pintadinha e outras coisas, mas um vizinho esperto dizia, vc parece artista de cinema com essas pintas, me achava…..tratavam isto de outra forma….bjks…gostei do seu blog…Gil

  40. Bom, a coisa tá ficando séria, mas era branca feito neve e tinha sardas, banana pintadinha e outras coisas, mas um vizinho esperto dizia, vc parece artista de cinema com essas pintas, me achava…..tratavam isto de outra forma….bjks…gostei do seu blog…Gil

  41. e eu, prima, que era piolhenta?
    sofri pacas.
    mas ó, num acho que a gente possa isentar os pais da culpa por ter um filho bully, não.
    ninguém vira bulinador do nada, gente!
    falta de limite, de educação, de atenção, whatever.
    se dizem que a vaca é pintada é porque alguma mancha ela tem, you know 🙂
    beijos!

  42. e eu, prima, que era piolhenta?
    sofri pacas.
    mas ó, num acho que a gente possa isentar os pais da culpa por ter um filho bully, não.
    ninguém vira bulinador do nada, gente!
    falta de limite, de educação, de atenção, whatever.
    se dizem que a vaca é pintada é porque alguma mancha ela tem, you know 🙂
    beijos!

  43. Acho que o bullying sempre existiu e pelo jeito, sempre vai existir, principalmente se os pais não se comprometerem com a educação de seus filos, etc, como você disse, tem os pais preocupados dos filhos que são os agredidos, mas como e onde estão os pais dos filhos agressores? Não deve ser nada fácil se dar conta disso e para os que já perceberam, como será lidar com essa situação?
    Ser pai não é nada simples, precisa de muito compromisso e dedicação e mesmo assim, ninguém está isento de passar por essas situações!!

  44. Acho que o bullying sempre existiu e pelo jeito, sempre vai existir, principalmente se os pais não se comprometerem com a educação de seus filos, etc, como você disse, tem os pais preocupados dos filhos que são os agredidos, mas como e onde estão os pais dos filhos agressores? Não deve ser nada fácil se dar conta disso e para os que já perceberam, como será lidar com essa situação?
    Ser pai não é nada simples, precisa de muito compromisso e dedicação e mesmo assim, ninguém está isento de passar por essas situações!!

  45. Cynthia, já escrevi sobre esse assunto que tanto me preocupa, já que meus meninos( todos os 3!) passaram e ainda passam por isso( como vítimas).
    Logo após o massacre em Realengo, voltei a chamar a atenção para a outra ponta do bullying, a do agressor.
    Não podemos fechar os olhos, não é? Afinal, até nossas gracinhas não estariam fora desse contexto de abusos, mais graves, ou não.
    Existem gracejos, "pegação no pé", discriminação: isso sempre houve, e haverá. Mas cabe a nós, como pais e educadores coibir, podar, desincentivar tais atos-a começar dentro de casa- e estimular, promover, incentivar o respeito e a socialização, apesar das diferenças de cada um. E isso, tem de começar pelo exemplo e atitude dos pais!
    Acho um horror, algo vergonhoso, testemunhar pais humilhando os próprios filhos, com o agravante de ainda fazê-lo em público! Esses pais deveriam levar umas boas palmadas, e em público( fazendo um trocadilho literal)!
    Abraço!

  46. Cynthia, já escrevi sobre esse assunto que tanto me preocupa, já que meus meninos( todos os 3!) passaram e ainda passam por isso( como vítimas).
    Logo após o massacre em Realengo, voltei a chamar a atenção para a outra ponta do bullying, a do agressor.
    Não podemos fechar os olhos, não é? Afinal, até nossas gracinhas não estariam fora desse contexto de abusos, mais graves, ou não.
    Existem gracejos, "pegação no pé", discriminação: isso sempre houve, e haverá. Mas cabe a nós, como pais e educadores coibir, podar, desincentivar tais atos-a começar dentro de casa- e estimular, promover, incentivar o respeito e a socialização, apesar das diferenças de cada um. E isso, tem de começar pelo exemplo e atitude dos pais!
    Acho um horror, algo vergonhoso, testemunhar pais humilhando os próprios filhos, com o agravante de ainda fazê-lo em público! Esses pais deveriam levar umas boas palmadas, e em público( fazendo um trocadilho literal)!
    Abraço!

  47. Esses dias mesmo escrevi sobre o tema e falei exatamente isso. Que sofri e pratiquei bullying quando isso ainda não tinha esse nome. A história é parecida com a da Taia. E eu também estou longe de ser uma pessoa má rs
    Adorei seu blog!
    Parabéns

  48. Esses dias mesmo escrevi sobre o tema e falei exatamente isso. Que sofri e pratiquei bullying quando isso ainda não tinha esse nome. A história é parecida com a da Taia. E eu também estou longe de ser uma pessoa má rs
    Adorei seu blog!
    Parabéns

  49. Sabe que eu ne vi essa reportagem, mas a minha mãe estava comentando sobre isso. Ela dizia que tb achava um exagero moderno!!
    Acredito que quando as crianças ainda são pequenas, atenção é uma boa conversa podem ser suficientes para ajudar, elevar a auto estima de uma filho nosso que, por ventura, estja sendo perseguido. Agora na adolescência, o negócio tá muito complicado por causa das redes socias!!! Os jovens estão cada vez mais maldosos e inconsequentes!!!
    bjs
    Carla

  50. Sabe que eu ne vi essa reportagem, mas a minha mãe estava comentando sobre isso. Ela dizia que tb achava um exagero moderno!!
    Acredito que quando as crianças ainda são pequenas, atenção é uma boa conversa podem ser suficientes para ajudar, elevar a auto estima de uma filho nosso que, por ventura, estja sendo perseguido. Agora na adolescência, o negócio tá muito complicado por causa das redes socias!!! Os jovens estão cada vez mais maldosos e inconsequentes!!!
    bjs
    Carla

  51. Acho que não tínhamos conhecimento de muitas coisas e/ou talvez essa situação tenha aumentado porque as pessoas estão muito mais mal educadas e agressivas.
    Claro que devemos ter cuidado de não ser levados pelos excessos, mas quando a pessoa é humilhada continuamente, isso é sério.
    Estudei numa escola em que a diretora era atuante, logo ela conseguia contornar esses problemas. Porém, ainda assim vi colegas (sempre os mesmos) sendo agredidos emocional e fisicamente, como colocarem a sua cabeça dentro da privada e apanhar de um grupo sem qualquer justificativa (Ah! Sim! Os agressores falavam que o menino era branquelo e esquelético!).
    Já ouvi especialstas falando que muitas vezes os pais dos agressores sabem sim, mas sentem-se orgulhosos dos filhos ("filho meu não leva desaforo para casa") ou dizem ser "brincadeira" de criança.
    Bacana o seu texto.
    bjs,
    Alessandra

  52. Acho que não tínhamos conhecimento de muitas coisas e/ou talvez essa situação tenha aumentado porque as pessoas estão muito mais mal educadas e agressivas.
    Claro que devemos ter cuidado de não ser levados pelos excessos, mas quando a pessoa é humilhada continuamente, isso é sério.
    Estudei numa escola em que a diretora era atuante, logo ela conseguia contornar esses problemas. Porém, ainda assim vi colegas (sempre os mesmos) sendo agredidos emocional e fisicamente, como colocarem a sua cabeça dentro da privada e apanhar de um grupo sem qualquer justificativa (Ah! Sim! Os agressores falavam que o menino era branquelo e esquelético!).
    Já ouvi especialstas falando que muitas vezes os pais dos agressores sabem sim, mas sentem-se orgulhosos dos filhos ("filho meu não leva desaforo para casa") ou dizem ser "brincadeira" de criança.
    Bacana o seu texto.
    bjs,
    Alessandra

Deixe uma resposta